O Caçador e a Fotografia

© 2012 – The Hunter, Magnolia Pictures

Quando um filme se afasta de um mero registo de “enredo filmado” o resultado pode ser uma obra como The Hunter: um filme em que a história fica ensombrada pela beleza cénica da paisagem da Tasmânia que nos é servida através de uma inspirada direcção de fotografia.

Ter como cenário de fundo a beleza natural da Tasmânia pode fazer parecer mais fácil a tarefa do director de fotografia Robert Humphreys, mas julgo que se este filme tivesse saído da “máquina” de Hollywood, aquelas paisagens ser-nos-iam apresentadas de maneira técnica e formalmente irrepreensível mas sem a qualidade artística que torna este trabalho tão especial.

© 2012 – The Hunter, Magnolia Pictures

Resumindo o enredo ao essencial, este filme tem como protagonista um caçador contratado para capturar secretamente – e ilegalmente – o último tigre-da-tasmânia (animal na realidade extinto desde os anos trinta), levando esta procura inicialmente solitária a uma transformação pessoal.

© 2012 – The Hunter, Magnolia Pictures

Muito certamente não foi intenção dos autores mas, depois do final do filme – naqueles minutos em que ficamos a assimilá-lo como um todo – a palavra fotografia ficou a ecoar na minha mente (um pensamento talvez alimentado pelo facto de ter gostado muito da direcção de fotografia). Daqui a dar por mim a traçar um paralelo entre o caçador solitário à procura de respostas e o fotógrafo à procura de imagens foi um pequeno passo.

Nesta associação de ideias, lembrei-me de dois fotógrafos, também eles do novíssimo mundo, cujo trabalho admiro desde há muito e em que consegui até vislumbrar pequenas semelhanças entre algumas cenas do filme e fotografias destes autores. São eles Bill Henson (infelizmente muito conhecido graças à polémica em que o seu trabalho esteve envolvido) e Trent Parke (o único fotógrafo australiano na agência Magnum).

© 2012 – The Hunter, Magnolia Pictures

© Trent Parke – Magnum Photos

© Bill Henson

Desde há muito que penso que a fotografia australiana é caracteristicamente especial, tem algo difícil de definir que também se pode observar no trabalho de outro director de fotografia australiano: Christopher Doyle, mais conhecido por ser o responsável pelas belas cenas dos filmes de Wong Kar Wai e pela memorável fotografia de Paranoid Park de Gus Van Sant.

As imagens que mostrei aqui não conseguem transmitir eficazmente o que se sente ao ver The Hunter, este é um caso em que a imagem em movimento ganha à imagem estática. Para ver num ecrã grande, às escuras, num destes dias chuvosos.

© 2012 – The Hunter, Magnolia Pictures

© 2012 – The Hunter, Magnolia Pictures

© 2012 – The Hunter, Magnolia Pictures

Sobre contextofotografico

Falar a apreciar fotografia em português.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , . ligação permanente.

2 respostas a O Caçador e a Fotografia

  1. Miguel Neiva diz:

    Muito bom post Richie! Onde viste o filme, gostava de ver também. Pela fotografia que falas epor também já ter estado na Tasmânia e querer rever aquelas paisagens…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s